Iogurtes e leites fermentados ajudam a controlar a hipertensão arterial

By 15 de agosto de 2017maio 4th, 2019Público Geral

A hipertensão arterial pressão altasistêmica é uma condição que afeta hoje boa parte da população mundial. Seu tratamento é difícil, pois a hipertensão pode ser causada por diversos mecanismos diferentes. Entretanto, associar o medicamento com uma alimentação adequada e a prática de atividades físicas traz os melhores resultados possíveis!
Na alimentação, já se sabe que se deve evitar alimentos ultraprocessados e que padrões dietéticos como a dieta DASH são muito eficazes. Mas uma classe de alimentos merece atenção especial: os laticínios.

Há fortes evidências científicas epidemiológicas de que o consumo do leite e seus derivados está inversamente associado ao aumento da pressão arterial, ou seja, a inclusão de laticínios na dieta pode causar uma pressão arterial mais controlada (Buendia et al, 2017).

Mas acima do leite, o iogurte parece exercer um efeito ainda maior! Isso se deve ao fato de que quando submetido ao processo de fermentação ele passa a possuir propriedades anti-hipertensivas. A base bioquímica e fisiológica para isso reside na ação das bactérias que fermentam o leite – especialmente do gênero Lactobacillus – pois elas geram peptídeos bioativos na matriz alimentar. Esses peptídeos mimetizam a ação dos fármacos da classe inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (ECA), agindo de forma parecida com vários medicamentos anti-hipertensivos. Através da inibição da ECA, os peptídeos do iogurte permitem um controle adjuvante da pressão arterial por regularem o mecanismo renina-angiotensina-aldosterona, especialmente se aliados ao tratamento farmacológico (Rai, Sanjukta & Jeyaram, 2017). Esses peptídeos bioativos ajudam a prevenir também disfunções vasculares, tais como a aterosclerose e a trombose (Marcone, Belton & Fitzgerald, 2017).

A sugestão é que se inclua um iogurte diariamente na alimentação. Lembrando que ele deve ser natural, sem corantes, adoçantes, açúcares e demais aditivos.
Se você não gosta ou optou por excluir laticínios da sua rotina, não se preocupe que existem outros alimentos que realizam esse papel também, mas isso fica para outro post!

REFERÊNCIAS:
BUENDIA, J. R. et al. Regular Long-Term Intakes of Total Dairy and Yogurt are Linked with a Lower Risk of Incident High Blood Pressure in Middle-Aged Adults. The FASEB Journal, v. 31, n. 1 Supplement, p. 167.7-167.7, 2017.
RAI, A. K.; SANJUKTA, S.; JEYARAM, K. Production of angiotensin I converting enzyme inhibitory (ACE-I) peptides during milk fermentation and their role in reducing hypertension. Critical reviews in food science and nutrition, v. 57, n. 13, p. 2789-2800, 2017.
MARCONE, S.; BELTON, O.; FITZGERALD, D. J. Milk‐derived bioactive peptides and their health promoting effects: a potential role in atherosclerosis. British journal of clinical pharmacology, v. 83, n. 1, p. 152-162, 2017.