Conflitos familiares na mesa impactam diretamente na alimentação da criança

By 31 de agosto de 2017maio 4th, 2019Maternidade, Público Geral

O que não faltam são crianças que se comportam mal na mesa, ou que rejeitam frutas, legumes e hortaliças, ou que não comem, ou que só querem comer alimentos ultraprocessados… mas quais são as causas disso? São várias, na verdade. Mas uma delas é justamente conflito na mesa! Sabia disso?

Fulkerson e colaboradores (2008) e Godfrey, Rhodes, & Hunt (2013) mostram que relações ruins entre a família e o comportamento na mesa (com brigas e discussões) afetam diretamente o comportamento alimentar de crianças e adolescentes, tendo relação até mesmo com distúrbios alimentares sérios. Mas uma evidência forte é que tudo isso também gere “food fussiness”, que é aquela criança que fecha a cara para a comida, faz escândalo, chora etc.

E agora que a criança já está com “food fussiness” e não aceita quase nenhum alimento, o que fazer? Bom, o primeiro passo é reduzir ou eliminar os conflitos na mesa. A hora de comer é um momento de paz e de interação familiar, nada de trazer os problemas pra mesa. Bryant-Waugh e colaboradores (2010) mostram que só de diminuir os conflitos na mesa já há melhora na aceitabilidade de frutas, legumes e hortaliças por crianças.

Em crianças mais novas (entre 4 e 6 anos), uma outra estratégia é também oferecer o mesmo alimento repetidas vezes. Mesmo que a criança não aceite comer espinafre hoje, por exemplo, ofereça amanhã novamente. Caso não aceite de novo, ofereça no outro dia. E assim sucessivamente. Sem muita insistência e com paciência. Pode ser interessante “premiar” a criança com um adesivo quando ela finalmente comer (Corsini et al, 2013), mas é preciso ter cautela com essa técnica, pois a criança pode ficar mal-acostumada.

Gostou das dicas? Me conta o que achou aqui nos comentários!

REFERÊNCIAS
FULKERSON, J. A. et al. Family meals: perceptions of benefits and challenges among parents of 8-to 10-year-old children. Journal of the American Dietetic Association, v. 108, n. 4, p. 706-709, 2008.
GODFREY, K; RHODES, P; HUNT, C. The relationship between family mealtime interactions and eating disorder in childhood and adolescence: A systematic review. Australian and New Zealand Journal of Family Therapy, v. 34, n. 1, p. 54-74, 2013.
BRYANT-WAUGH, R. et al. Feeding and eating disorders in childhood. International Journal of Eating Disorders, v. 43, n. 2, p. 98-111, 2010.
CORSINI, N. et al. Rewards can be used effectively with repeated exposure to increase liking of vegetables in 4–6-year-old children. Public health nutrition, v. 16, n. 5, p. 942-951, 2013.