Alzheimer e suplementação: O papel do Ômega 3

By 23 de novembro de 2017 setembro 13th, 2018 Nutrição com Evidência, Profissional de Saúde
[et_pb_section bb_built=”1″ _builder_version=”3.0.98″ custom_padding=”0px|0px|0px|0px”][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

A doença de Alzheimer é uma patologia neurodegenerativa que causa demência e perda de memória a longo prazo. Ainda não há consenso sobre as causas do Alzheimer, mas alguns mecanismos envolvidos nesse processo já estão bem esclarecidos. Um deles é a depleção dos estoques de EPA e DHA no cérebro (ácidos graxos ômega-3).

Sendo assim, muitos ensaios clínicos foram realizados com suplementação de EPA e DHA objetivando ver o efeito sobre o aparecimento de Alzheimer e o tratamento dos sintomas em quem já portava a doença.

Os resultados são bastante promissores: não só o ômega-3 ajuda a prevenir o desenvolvimento da doença de Alzheimer, como também retarda seus sintomas e age como coadjuvante no tratamento clínico.
Importante ressaltar que esses resultados foram obtidos através da suplementação como EPA e DHA pré-formados, ou seja, a partir de óleo de peixe. O ômega-3 derivado de plantas (ácido alfa-linolênico, presente em linhaça, chia e algumas oleaginosas) parece ter um efeito menor, mas também relevante.

A suplementação não deve ser feita por conta própria. Faça somente sob supervisão de um nutricionista! Mas uma dica é: inclua peixes fonte de ômega-3 na sua alimentação. Alguns exemplos são sardinha, arenque, atum, cavala, salmão, truta. Inclua também as fontes vegetais já citadas acima!

REFERÊNCIA
THOMAS, J. et al. Omega-3 fatty acids in early prevention of inflammatory neurodegenerative disease: a focus on Alzheimer’s disease. BioMed research international, v. 2015, 2015.

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]