Skip to main content

FLEXIBILIDADE METABÓLICA, OUVIU FALAR?

By 22 de julho de 2020Nutrição com Evidência

Você já parou para pensar no porquê de alguns pacientes apresentarem respostas mais rápidas no processo de emagrecimento e melhora da composição corporal do que outros?
De fato, muitos fatores podem contribuir e acredita-se que a flexibilidade metabólica pode ser uma das respostas. Vou tentar explicar para vocês de maneira clara e objetiva esse conceito, e claro, trazer evidências sobre o assunto.

O conceito da flexibilidade metabólica é a eficiência do organismo em utilizar diferentes substratos energéticos (exemplos: carboidrato ou gordura) de acordo com a sua disponibilidade. O principal objetivo dessa mudança de substrato é passar dos processos catabólico para anabólico. A liberação de insulina em resposta a uma refeição é um dos principais fatores dessa mudança.

Como exemplo, evidências mostram que o treinamento físico pode melhorar a flexibilidade metabólica, e se mostra altamente relevante na melhora dos aspectos fisiopatológicos da obesidade, diabetes tipo 2 e envelhecimento. A atividade melhora a resposta metabólica, garantindo um aumento na capacidade de utilização do substrato energético, melhorando consequentemente, a resposta a sensibilidade a insulina.

Ainda, em indivíduos com obesidade e diabetes tipo 2 apesar da redução de oxidação de ácidos graxos durante o jejum e repouso, aqueles que se exercitavam mostraram como resposta uma oxidação elevada de ácidos graxos durante o exercício. Os pacientes com diabetes tipo 2 oxidam mais glicose plasmática durante a atividade física, o que poderia ser a resposta sobre os efeitos do exercício na redução e melhora da glicemia no diabetes.

Dessa forma, a flexibilidade metabólica abrange muitas vias e mecanismos. Destaco aqui que a redução de peso induzida somente pelo ajuste calórico da alimentação também melhora a sensibilidade à insulina, mas o exercício tem papel fundamental no aumento da capacidade do músculo esquelético na oxidação dos ácidos graxos. Ressalto a importância do tratamento dietético com o incentivo da atividade física, as evidências apontam ser o caminho mais eficaz no tratamento da obesidade e síndrome metabólica.

Ref:
Goodpaster BH, Sparks LM. Metabolic Flexibility in Health and Disease. Cell Metab. 2017;25(5):1027-1036. doi:10.1016/j.cmet.2017.04.015
San-Cristobal, R., Navas-Carretero, S., Martínez-González, M. et al. Contribution of macronutrients to obesity: implications for precision nutrition. Nat Rev Endocrinol 16, 305–320 (2020). https://doi.org/10.1038/s41574-020-0346-8

Leave a Reply