AUTOPRESCRIÇÃO DE ERVAS, MEDICAMENTOS E SUPLEMENTOS

By 29 de julho de 2020Nutrição com Evidência

Você toma algum suplemento/vitamina sem prescrição de um profissional de saúde? Conhece alguém que diz fazer uso de alguma medicação alegando que é “natural” e que faz bem para a saúde? Se respondeu sim para qualquer uma das perguntas, confere aqui o que as evidências mostram sobre automedicação.

São muitos os motivos que levam uma pessoa a fazer uso de qualquer suplemento sem prescrição, entre eles: indicação de um amigo, propagandas, mídias sociais, crenças, entre outros. O pensamento geral é que por se tratar de algo “natural”, não é prejudicial, mas isso não é verdade. Todo nutriente em excesso é um problema tanto quanto sua deficiência.

A glutamina por exemplo, um estudo de caso publicado este ano: Glutamine powder-induced hepatotoxicity: it is time to understand the side effects of sports nutritional supplements, foi o primeiro que trouxe relato sobre hepatotoxicidade induzida pela glutamina. A paciente do caso clínico, com 35 anos, estava tomando glutamina em pó (10 g de pó / dia igual a 170 mg de glutamina pura) – uso por três semanas – o suplemento continha apenas glutamina. Sem histórico clínico de outras doenças, a lesão hepática apresentada foi um possível efeito colateral do uso exacerbado de glutamina. Observe que, boa parte dos praticantes de atividade física, na intenção de aumentar a performance e obter resultados mais rápidos acabam optando pelo uso indiscriminado e excessivo de alguns suplementos.

É importante deixar claro que esses efeitos adversos normalmente acontecem sob consumo de altas doses. Infelizmente, o que mais observo é o uso indiscriminado desses suplementos, cada vez mais disseminados por pessoas influentes que muitas vezes são patrocinadas para propagar o produto em si. Os desafios atuais no diagnóstico e tratamento da lesão hepática induzida por esteróides anabolizantes, extrato de chá verde e suplementos nutricionais com vários ingredientes, foram o foco de um simpósio de pesquisa patrocinado pela American Association for the Study of Liver Disease and e pelo National Institutes of Health.

Tomar o chá verde dificilmente trará problemas, mas hoje em dia as pessoas consomem cápsulas concentradas com extrato de chá verde de forma desordenada–esse sim é o problema. Os pacientes com lesão hepática atribuída ao extrato de chá verde apresentaram uma doença característica do tipo hepatite aguda ocorrendo dentro de 1 a 3 meses após o início do uso do produto. A doença era geralmente controlada, mas casos fatais foram relatados em até 10% dos casos, geralmente naqueles que apresentaram lesão hepatocelular aguda e icterícia. Eu trouxe o exemplo do chá verde, mas poderia citar outros que assim como esse, já são comumente comprovados os danos causados a saúde pelo consumo atribuído a autoprescrição.

Assim como os substitutos de refeição, suplementos diversos e ervas são utilizados como tentativa de emagrecimento por boa parte das pessoas, novos produtos vêm ganhando espaço dia após dia. A reflexão que eu gostaria de trazer é que é necessário CAUTELA, pergunte ao profissional da saúde sobre o medicamento ou suplemento, procure evidências sobre a segurança do uso, seja crítico em tudo aquilo que vem com a promessa de resultados imediatos, seja na composição corporal, no aumento de energia ou qualquer efeito alegando “benefícios” ao organismo. Dose, horário, forma farmacêutica, tipo de consumo e outros fatores são determinados pelo profissional de saúde. Combinado?

Ref:
Navarro, Victor J et al. “Liver injury from herbal and dietary supplements.” Hepatology (Baltimore, Md.) vol. 65,1 (2017): 363-373. doi:10.1002/hep.28813
Hatami B, Saffaei A, Jamali F, Abbasinazari M. Glutamine powder-induced hepatotoxicity: it is time to understand the side effects of sports nutritional supplements. Gastroenterol Hepatol Bed Bench. 2020;13(1):86-89.

Leave a Reply