Skip to main content

Amor em Tempos de COVID

By 29 de setembro de 2021Nutrição com Evidência

Eu amo receber sugestões de leitura de artigos. Recentemente, a @vaniamattosonutri me enviou um com o título “Amor em Tempos de Covid”. Ela brincou dizendo que é quase um Gabriel García Márquez da era moderna. Para quem não conhece, ele é o autor do livro “Amor nos Tempos do Cólera”.

 

Esse artigo recém-publicado, trata da relação entre o COVID-19, as doenças crônicas e o estilo de vida. Ao longo da publicação, o autor associa a mudança no estilo de vida com a prevenção ou a indução da remissão de doenças crônicas e como isso, hipoteticamente, reduziria o risco de morte por COVID-19. Tendo em vista, que a maior parte da mortalidade pelo vírus ocorreu em pessoas que têm uma ou mais doenças crônicas.

 

As mudanças no estilo de vida são:

🔸Ter uma dieta baseada em vegetais e alimentos integrais: pobre em proteína animal, gordura, açúcar e carboidratos refinados, e rica em frutas, vegetais, grãos integrais, legumes e produtos de soja em formas não processadas;

🔸Praticar uma atividade física adequada: como caminhada e treinamento de força;

🔸Reduzir o estresse: incluindo meditação, alongamento suave baseado em ioga e técnicas de respiração que podem permitir que você faça mais e menos estresse;

🔸Fazer conexões sociais, suporte social e comunidade. Em resumo: comer bem, movimentar-se mais, estressar menos e amar mais

 

Sabemos que a atividade física e a alimentação adequada desempenham um papel fundamental na prevenção da maioria das doenças crônicas, como obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, que foram identificadas como fatores de risco potenciais para pacientes mais graves com COVID-19.

 

Além disso, a falta de atividade física e hábitos alimentares ruins estão associados com a incapacidade do organismo em lidar com infecções e complicações imunológicas e cardiopulmonares, aumentando o risco de desfechos mais graves da doença.

 

Por exemplo, a hiperglicemia crônica afeta negativamente a função imunológica e aumenta o risco de morbidade e mortalidade devido a qualquer infecção, enquanto a obesidade altera a resposta imune inata e adaptativa caracterizada por um estado de inflamação crônica e de baixo grau.

 

O comportamento alimentar está intimamente relacionado à regulação da função imune, pois as células do sistema imunológico dependem de vitaminas e minerais para terem suas funções adequadamente preservadas e atuarem no combate a infecções.

 

Assim, o controle adequado dos distúrbios metabólicos, incluindo tanto a atividade física quanto uma alimentação saudável, pode ser importante para reduzir o risco de COVID-19 grave. No entanto, vale ressaltar que manter bons hábitos não impede a infecção por COVID-19, mas pode fortalecer o sistema imunológico e potencialmente reduzir complicações, especialmente entre aqueles com as comorbidades anteriores.

 

Mas a questão não se resume à alimentação e atividade física! Esses são apenas 2 pontos, dos 6 pilares da Medicina do Estilo de Vida!


Alimentação, Exercício, Manejo de estresse, Sono, Tabagismo e Etilismo, e Relacionamentos. Todos esses fatores se inter-relacionam e interferem diretamente nas escolhas alimentares. Por isso, é fundamental que eles sejam identificados para compreendermos como vamos intervir em prol da SAÚDE.

 

Ah, e as matrículas para a Pós-Graduação em Obesidade e Síndrome Metabólica estão abertas! Não perca a oportunidade de dar esse grande passo na sua carreira. Link na bio!

 

Referência:

DIXON, Michael; ORNISH, Dean. Love in the time of COVID-19: Social prescribing and the paradox of isolation. Future Healthcare Journal, v. 8, n. 1, p. 53, 2021.

Leave a Reply